Monday, November 21, 2005

A Conspiração da Crise


Está a ser arquitectada no nosso País uma nova conspiração com o intuito de nos colocar a trabalhar desalmadamente sob o espectro da crise e da baixa produtividade.
Podemos verificar com o recurso a meia duzia de números, que se trata de uma enorme crise que afecta todos os quadrantes da sociedade.

As grandes empresas cotadas no PSI 20, têm demonstrado essa pretensa crise:
Aumentaram este ano os resultados em 48,5% o que correspondeu a cerca de 900 milhões de euros;
A Galp, já acumulou 333 milhões de euros de lucros aumentando em cinco vezes os valores de 2004;
A PT já atingiu cerca de 500 milhões de euros de lucro;
A Brisa cerca de 40 milhões de euros;
Os quatro maiores bancos privados já vão em 370 milhões de euros;
O BCP ultrapassou o recorde de lucros do ano passado;
O BES triplicou-os;
O BPI, já tinha até Março, aumentado cerca 55% nos lucros;
A SONAE já cresceu 135%;
A Impresa aumentou os lucros em 70%
e a EDP obteve aumentos de 11,5%.

Como se pode constatar mediante os dados apresentados, estamos numa crise profunda que só com a colaboração de todos pode ser minorada. Teremos que ter paciência, não incomodar os grandes grupos económicos, deixá-los encher bem o "bolsinho" porque se não os "gajos" poêm-se a andar para outro país onde não os aborreçam com pedidos de aumentos ou melhores condições sociais, onde ninguém se queixe do facto de o dinheiro não chegar para comer, onde ninguém reclame se tiver que trabalhar doze horas por dia e onde todos sejam os tão aclamados "colaboradores", com duas palas nos olhos e uma potente lavagem ao cerebro, com o produto milagroso "esta é a nossa empresa".

Quanto ao nosso governo em tempos de crise temos de nos contentar com os dez estádios feitos o ano passado, com um aeroporto novo e com o TGV! Porque isto está mau!

Digam lá se não é uma Conspiração?!

6 comments:

JL said...

Só me apetece dizer: porra! Gostei e convenceste-me. Bom artigo a provar que a crise não é para todos. No meio disto tudo, caro amigo, que se lixa é sempre o mesmo: o mexilhão não é?

TSFM said...

É uma conspiração e das grandes!!!Olha, já agora que achas da "velha" teoria do Defice? É que agora todos os políticos, economistas e outras pessoas "de Bem" falam e dizem e justificam tudo com a inevitabilidade do combate ao defice. Mas, qualquer dia algum guru se lembra do contrário, seja lá o que for o contrário, e o defice deixa de ter importancia e uma vez mais, como diz o JL o mexilhão lixou-se mais uma vez. Hem? Quê?! Achas que não...tá bem, pronto...

blogoexisto said...

Exactamente! Concordo plenamente!
Há algum tempo que ando a dizer isto.
Não é por acaso que os meios de comunicação estão nas mãos de grandes grupos económicos. Para alimentar o 'Dogma'.
Porque é que o Eng.º Belmiro de Azevedo, um homem habituado a fazer investimentos com vista nos lucros, comprou o Público, um jornal que (pelo menos até há pouco tempo) só dava prejuízo?


Concordo!
Teoria da Conspiração!
MaiNada!

GreenSky said...

O Sr. North surpreendeu-me, pela positiva, na análise que faz neste artigo. Eu concordo a 100% com ele, temos que voltar atrás no tempo e lembrar um belo cd dos Supertramp : Crisis? What Crisis?
Os tempos mudam mas as tangas são as mesmas.
A crise existe, mas é para o “Zé-Povinho” que vai ter aumentos da tanga para pagar a dita.
Parabens!!!

GreenSky said...

O DÉFICE HEIMMMM!!!!!!!

Os Administradores do banco de Portugal também
apertam o Cinto 60 viaturas novinha

Estando nós habituados a ver o Dr. Vitor
Constâncio a defender, dia sim dia não, a contenção da massa salarial, em
especial a dos funcionários públicos, e tendo sido que o Governo decidiu
que os assalariados que auferem de salário mínimo só podem ter aumentos
equivalentes a uma bica por dia de trabalho efectivo, não deixou de ser uma
feliz coincidência saber que os administradores do Banco de Portugal também
apertam o cinto.

Pois, apertam o cinto de viaturas novinhas em
folha: o governador, Vítor Constâncio, teve direito a um BMW 530 D, no
valor de 67400 euros (13400 contos). Para dois administradores foram um
Saab Sport Sedam 2.2, no valor de 37 mil euros (7400 contos) e um Volvo
V40 1.9D, de 36730 euros(7363 contos). E para que o motorista do Dr.
Vitor Constâncio não se sentisse diminuído também levou um Peugeot 206
color line.

No Banco de Portugal existem 56 viaturas
atribuídas para 1794 funcionários, o que dá um carrinho por cada 32 almas.
O mesmo rácio aplicado à DGCI implicaria que esta disporia de um parque com
nada menos que com 406 viaturas, o que agora dava um jeitão para cumprir as
últimas ordens do senhor ministro, e ir a correr atrás de todos os que
devem impostos a ver se davam um remendinho no buraco orçamental. E se
aplicado aos 700.000 funcionários públicos isso implicaria que o Estado
deveria ter qualquer coisa como 21.875 viaturas, o que dava ocupação à Ford
Europa por uns tempinhos.

Ao que parece, o Banco de Portugal dá o exemplo
de uma forma original: quem parte e reparte e não fica com a melhor parte
ou é estúpido ou não tem arte. E o Dr. Vitor Constâncio, que há uns tempos
aumentou o seu próprio vencimento, de estúpido não parece ter mesmo nada, o
que podia era andar um pouco mais calado.

Parabéns, Dr. Vitor Constâncio!

Anonymous said...

"CONSPIRAÇÃO DA CRISE", gostei do artigo, parabens.
mas se me é permitido acrescentar, apenas quero deixar uma nota para refletir, será que a hipotetica crise, é ou será apenas para nos fazer pagar mais uns tostões, para poderem concretizar o aeroporto da Ota e o TGV.